sexta-feira, 9 de junho de 2017

Mary Kay, Bino e Revendas em Geral

Será que é só a cara?

Olá, olá!

Eu já fui revendedora de produtos de catálogos. Durante um tempo vendi Avon, Demillus e Jequiti. Nunca tive problemas sérios e quando resolvi parar de vender foi porque não estava com saco para me dedicar mais. 

Se essas coisas davam retorno? Bem, na época que revendia Avon e Demillus, repassaei para minha mãe vender por mim na época que ela estava com o nome sujo e isso a ajudou a tirar uns trocados extras por mês porque ela conseguia vender pra miuta gente no seu trabalho. Em média, dá para ter 25% - 30% de lucro e se você não o gasta  comprando os produtos pra você (isso é muito tentador!), cobra direitinho e é prevenida, dá certo, sim. Porém, como qualquer trabalho, dá trabalho (eh, trocadilho) e seus clientes não vão brotar da terra: vai ter que correr atrás. No mais, acho muito válido vender essas coisas para fazer uma graninha a mais se você tem disciplina, boa vontade e outras habilidades que são necessárias para essa tarefa.

Entre as dezenas de coisas que podem ser vendidas por catálogo -Natura, Boticário, Abelha Rainha - tem a famigerada Mary Kay. Quem não conhece a marca, tem aqui na Wikipedia (em inglês). É a hstória de uma mulher do Texas que deu a volta por cima e criou sua própria empresa de cosméticos, tipicamente um sonho americano. Até aí, ok. No fim, são produtos de catálogo e é uma opção a mais de marca com as quais uma consultora pode trabalhar.

Só que ao contrário das outras tantas marca, a Mary Kay tem uma relação peculiar com suas consultoras... tem reuniões e incentivos como qualquer empresa, mas eles são -como posso dizer sem soar dramática?- incisivos em seu treinamento. 

Primeiramente, qualquer vendedora novata passa por uma processo de iniciação. O objetivo de cada revendedora é arrebanhar um número de iniciadas e a partir do que elas ganham, a 'lider' ganha em cima. É isso aqui, ó:
Crédito das imagens: aqui

Aí fica o questionamento: ok, mas qualquer outra marca de cosmético pode fazer isso aí. Sim, pode. E provavelmente faz mesmo. Entretanto, você nunca verá uma revendedora Avon, Natura, Eudora, Boticário, Jequiti, etc fazer escarcéu quando alguém vende esses mesmos produtos online ou acaba vendendo para alguém que já tem sua consultora. Na Mary Kay isso é um pecado mortal. Algumas consultoras MK agridem verbalmente suas concorrentes só por elas venderem os produtos no Facebook, por exemplo. Isso sem contar com o deslumbramento de "ganhar" o carro rosa... Inclusive, já vi esse carro pertinho do meu trabalho, ele existe mesmo. Mas para chegar nele, muita trouxa teve que dar o sangue em vendas para o diretor ganhar o carrinho dele. 

Para ilustrar o termo "trouxa" acima, vou contar a história de uma moça que trabalhava com a minha mãe. Ela tem a minha idade, tem depressão (ou bipolaridade ou coisa do tipo) e com isso tem períodos de muito otimismo e períodos de extremo pessimismo. Ela trabalhava no posto onde minha mãe está agora e, apesar de não ser funcionária pública, tinha muitas mordomias nesse emprego. Tirou um tempão de licença por causa do seu estado mental e depois que voltou pediu as contas. Ela pediu para sair de um emprego estável, pertinho da casa dela para... vender Mary Kay! Isso porque ela não poderia fazer as duas coisas ao mesmo tempo (coisa que daria caso ela vendesse qualquer outra marca) porque, de acordo com o treinamento que teve, precisava se dedicar de corpo e alma e seu atual emprego a atrapalhava. Trabalhei com um cara que também saiu do emprego para vender MK porque queria o carro rosa a todo custo. Tô falando sério!

Fica a dúvida se a marca faz lavagem cerebral ou se as pessoas tem a cabeça fraca. Além das pessoas que mencionei já estive com outros revendedores MK que falam da marca como se fosse uma verdadeira seita, é bem assustador. Por outro lado, conheço uma camelô que vende todas essas marcas de cosméticos que é super de boa. Como uma empreendedora, ela olha seus produtos a venda como geradores de receita e não como uma dádiva divina que lhe trará a riqueza. Não preciso dizer que ela já teve problemas com revendedoras MK que a viram como concorrente. 

Falando sobre a qualidade dos produtos: são ok. Já usei o kit de pele e acheimuito bom, já alguns itens de maquiagem achei normais, nada que justifique os preços. Honestamente, acho os preços muito caros para o que a marca promete, mas essa percepção é muito pessoal. 

Por fim, eu não odeio MK. Assim como dona Lúcia (a camelô) sei que é algo que dá pra vender e isso é o que importa. O que eu fico chocada é o deslumbre que a marca proporciona às revendedoras, deslumbre esse que não acontece com suas concorrentes. Isso é preocupante, principalmente depois de conhecer duas pessoas que abandonaram seus trabalhos para se dedicar a isso. Não estou falando de pessoas que saíram para empreender, são pessoas que saíram atrás de um sonho incutido na cabeça delas através de um discurso cheio de lorotas. É tipo Herbalife*, no fim das contas. Quem quer uma renda extra pode se dar bem se mantiver senso crítico e cabeça no lugar. Se não tiver isso, indico o selo:


*Se você procurar no Google vai ver alguns posts de pessoas falando que Herbalife é do capeta, etc etc. Eu discordo totalmente, Não é porque a marca tem um discurso estilo lavagem cerebral e porque as pessoas tem a mente fraca que satanás está envolvido. 

12 comentários:

  1. Minha esposa conheceu 2 cabeleireiras que tinham salão próprio, estavam já começando a formar uma freguesia cativa, e se meteram com Hinode. Fecharam o salão depois de umas tantas palestras e sonhos improváveis.

    Hoje uma é empregada de salão e a outra atende em domicílio ou em casa. Noves fora que essa psicose espanta amizades e até parentes (ok, talvez seja o lado bom da coisa).

    Salci Fufu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Charlito!

      Ouço muita gente reclamar da Hinode também, mas não conheço pessoalmente nenhum caso. Uma pena o que houve com essas cabeleireiras...

      Um abraço!

      Excluir
  2. Pois é Jacque, o modelo de MMN (marketing multinível) é incrível. É coisa de louco, sensacional mesmo e permite uma ascensão sem igual.
    Só que de nada adianta o modelo ser ótimo, se a implementação é questionável (eufemismo :D). Eis o problema.
    Como você disse, os preços são pouco competitivos e isso (é uma das coisas que) mata o modelo de negócios.
    Abc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, FPI!

      Acho muito risco e muita dor de cabeça pra pouco resultado.

      Um abraço!

      Excluir
  3. Olá Sra Jacque!

    Isso me fez lembrar da minha mãe. Por um tempo ela ganhou dinheiro vendendo kits Danone. Rendeu uma graninha viu...

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, sr. Inglês!

      Quando eu era criança, passava um tio que vendia esses Danones toda semana, éramos fregueses. Bons tempos!

      Um abraço :)

      Excluir
  4. Saudações, dama venusta!

    Lá pelo início do século conheci uma senhora que tirava da revenda de Avons, Naturas e afins cerca de 50% de sua renda mensal. É claro que ela não vivia confortavelmente, mas se mantinha decentemente com o filho adolescente devido a clientela fiel que possuía na igreja que minha mãe costumava frequentar.

    Alguns anos depois, conheci um rapaz que trabalhava como aprendiz na empresa e que nas horas vagas revendia os perfumes da Hinode para a peãozada do local. Com as vendas eventuais ele bancava encontros com garotas diferentes pelo menos três ou quatro vezes na semana e, além disso, comprou e mantinha - sem ajuda dos pais - um carro usado e totalmente deformado que restaurou aos poucos com a receita advinda da bolsa de aprendiz - que deveria ser de uns R$ 500,00, na época - e dos perfumes. Vivia falando dos cruzeiros, carros e vantagens que a Hinode oferecia...Não possuo mais contato com ele, mas tenho quase certeza que agora está se dedicando exclusivamente aos perfumes e, pelo visto está indo bem, uma vez que mantém um filho pequeno apenas com essa renda.

    Também conheci uma revendedora Mary Kay. Ela dizia que saia por aí de terninho, com o carro do pai para vender os cosméticos para a vizinhança. Grande parte do que ela conseguia, gastava com as despesas do carro, mas ainda assim conseguiu desembolsar por algum tempo pequenas quantias que lhe permitiram - em menos de dez anos - Comprar à vista um apartamento aqui na zona norte do Rio(somado ao dinheiro dos estágios que fazia na época).

    Considero o MMN uma ilusão, mas reconheço que as vezes é um método eficiente de ganhar um extra, como você mesma disse...

    Mudando um pouco de assunto, mas nem tanto. Uma amiga da minha mãe tentou arrastá-la (inda que por pura ignorância) para um desses tantos esquemas de piramide: Uma tal de Zurc investimentos que surgiu há aproximadamente um ano atrás e que dizem investir os aportes dos associados em small caps e start-ups, o que lhes permitem oferecer uma rentabilidade de 40% ao mês. 40% AO MÊS!
    Descobri depois que a mesma e outros de seus familiares chegaram a investir um cabedal bem acima dos R$ 5.000,00! Meu deus do céu!
    Mesmo explicando o esquema e mostrando o alerta recente da CVM sobre essa "empresa":
    http://www.cvm.gov.br/noticias/arquivos/2017/20170526-1.html
    não acredito que ela tenha se convencido. Com sorte pude intervir antes que minha mãe caísse numa dessas também.

    Me pergunto quando será que as pessoas vão parar de cair nesses golpes...

    Adeus,
    O trovador

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Trovador!

      Desculpe a demora par responder, estive trabalhando muito.

      Há uma parcela pequena de gente que se dá bem nessas pirâmides. Mas os iludidos,a maioria, dá o sangue para nada. Eu não gostaria de ter essa emoção toda na minha vida, não.

      Ainda bem que você ocnseguiu livrar sua mãe dessa cilada aí. Nunca ouvi falar dessa Zurc, mas agradeço o alerta.

      Um abraço ^^

      Excluir
  5. Jaque teu blog é show! Obrigado por compartilhar. Bj's!

    ResponderExcluir
  6. Olá Jacqueline. Poxa, gostei do blog.

    Olha só, eu cheguei a vender os produtos de uma empresa chamada Inspiração. Eram perfumes excelentes. O marketing multinível foi que me decepcionou bastante. Mas em relação a vendas, poxa... eu vendia um perfume a 60 reais, e que me custava apenas 30, 100% de lucro. Eu me dedicava e vendia mais ou menos uns 60 perfumes por mês, ou seja, Sozinho eu tirava quase 2000 de lucro. Mas ralava bastante. Até que cansei disso. E voltei estudar rsrs

    Mas parabéns pelo blog, e pela dedicação. Estou começando nessa é gostaria que você desse uma passadinha no meu blog
    Www.diariodefinancasonline.blogspot.com

    Forte abraço e fica com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Investidor Online!

      Seja bem vindo ao blog, obrigada por participar. Vou ver seu blog, sim. Acho que estás fazendo melhor negócio estudando mesmo :)

      Um abraço!

      Excluir

Não fale com os outros o que não gostaria que falassem com sua mãe.